A esperança de Francisco: da oração na Praça vazia ao Terço nos Jardins do Vaticano

Em tempo de pandemia, o Santo Padre faz suas as preocupações da humanidade. Na comunicação, na proximidade e na serenidade.

Rui Saraiva

Naquele chuvoso fim-de-tarde em Roma, um homem sozinho acolheu numa enorme Praça vazia o mundo inteiro. Francisco, Papa desde março de 2013, sempre encontrou ali multidões. Alegres, sorridentes, orantes, presentes. Porque o contágio cristão faz-se de abraços e partilha.

E, de repente, devido ao novo coronavírus, o mundo ficou doente e teve que se proteger de um contágio tão forte que se transformou em pandemia. Era obrigatório ficar em casa. Pela saúde pública.

Naquele dia 27 de março, na proximidade física e territorial italiana, que envolve o Papa, tinham morrido mais de 900 pessoas em 24 horas por covid-19 que é a doença respiratória causada pelo novo coronavírus. Vivia-se um ambiente de dor, de sofrimento, de angústia e de incerteza em relação ao futuro.

No mesmo barco com o Papa

Francisco cedo reagiu. Deixou-se aconselhar e percebeu que o tempo era de intensificar a comunicação. A partir de meados de março a missa em Santa Marta passou a ser transmitida em direto para todo o mundo até ao passado dia 18 de maio. Transformou-se num fenómeno de comunicação, verdadeiro vínculo quotidiano de esperança.

Naquela sexta-feira da Quaresma, 27 de março, o Papa organizou uma oração pela humanidade e quis junto de si o Crucifixo de S. Marcelo que em 1522 pôs fim à peste em Roma. Quis também o ícone da Salus Populi Romani, a Imagem protetora do povo romano, que estará em Portugal para as Jornadas Mundiais da Juventude agora adiadas para 2023.

O Santo Padre inspirou-se no Evangelho de S. Marcos na passagem que nos revela o Senhor que acalma a tempestade e diz aos seus discípulos: porque estais com medo? Ainda não tendes fé?

Na sua meditação, o Papa lembrou que também a humanidade está no meio de uma tempestade e afirmou: “À semelhança dos discípulos do Evangelho, fomos surpreendidos por uma tempestade inesperada e furibunda. Demo-nos conta de estar no mesmo barco”.

Juntos na mesma situação – recordou Francisco apelando para o perigo da autossuficiência que pode levar à realidade de “sozinhos” nos afundarmos.

“Convidemos Jesus a subir para o barco da nossa vida” – disse o Papa exortando todos a abraçarem a cruz de Cristo, pois, só assim, poderemos encontrar “novas formas de hospitalidade, de fraternidade e de solidariedade” – sublinhou o Santo Padre que no final desta oração, num significativo momento de espiritualidade cristã, deu a bênção eucarística em transmissão mundial.

Na Páscoa, o direito à esperança

Durante as celebrações pascais de 2020 no Vaticano, organizadas no confinamento a que a pandemia obrigou, destaque para a homilia de Francisco na Vigília Pascal e para a Mensagem Urbi Orbi na manhã de Páscoa.

Na vigília, mãe de todas as vigílias, a ressurreição do Senhor foi celebrada com uma forte exortação à esperança. O Papa declarou um novo direito fundamental: o direito à esperança.

“Nesta noite conquistamos um direito fundamental, que não nos será tirado: o direito à esperança. É uma esperança nova, viva, que vem de Deus, não é mero otimismo, não são umas pancadinhas nas costas ou um encorajamento de circunstância. É um dom do céu, que não conseguiríamos obter sozinhos” – disse Francisco.

O Papa declarou ainda que “a esperança de Jesus é diferente” porque “até de um túmulo faz surgir vida”.  Fazendo uma clara alusão ao sofrimento e incerteza que o mundo vivia, o Santo Padre assinalou não ser possível ceder à resignação dizendo para não colocarmos “uma pedra por cima da esperança”.

“Podemos e devemos esperar, porque Deus é fiel. Não nos deixou sós, visitou-nos: ele chegou a cada umas das nossas situações, na dor, na angústia, na morte. A Sua luz iluminou a escuridão do sepulcro: hoje quer alcançar os cantos mais sombrios da vida. Irmã, irmão, mesmo que no coração enterraste a esperança não desistas: Deus é maior. Escuridão e morte não têm a última palavra. Coragem, com Deus nada está perdido!” – disse o Papa na sua homilia na Vigília Pascal.

Na Mensagem e Benção Urbi et Orbi na manhã de Páscoa o Papa Francisco afirmou que com a Ressurreição de Cristo uma “Boa Notícia” se acendeu na noite: “a noite de um mundo já ocupado com grandes desafios e agora oprimido pela pandemia, que mete em dura prova a nossa família humana. Nesta noite ressoou a voz da Igreja: Cristo minha esperança, ressuscitou!”

Francisco afirmou que a esperança da Ressurreição “é um outro contágio, que se transmite de coração a coração”. Para Francisco este é o “contágio da esperança”: “Cristo minha esperança, Ressuscitou! – Não se trata de uma fórmula mágica, que faça desaparecer os problemas. Não, a ressurreição de Cristo não é isso. É a vitória do amor sobre a raiz do mal, uma vitória que não passa por cima do sofrimento e da morte, mas atravessa-as abrindo uma estrada no abismo, transformando o mal no bem” – disse o Papa.

Rezar o Terço dando esperança a quem sofre

No final do mês mariano, a 30 de maio, o Papa Francisco, numa iniciativa do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, rezou o Terço no Vaticano em especial ligação com os santuários marianos e com todo o mundo.

Foi a partir da réplica da Gruta de Lourdes que se encontra bem no coração dos Jardins do Vaticano que o Papa Francisco rezou o Terço para pedir a consolação de Nossa Senhora para enfrentar a pandemia.

Uma oração plena de esperança vivida nos primeiros passos que se vão fazendo de desconfinamento e de regresso a alguma normalidade. A frase que orientou a espiritualidade daquele momento foi retirada dos Atos dos Apóstolos (1,14): “Todos se uniram constantemente em oração, juntamente com Maria”.

Com o Papa estiveram em ligação direta de intenções e comunhão os santuários marianos espalhados pelo mundo: Lourdes (França), Lujan (Argentina), Guadalupe (México), Elele (Nigéria), San Giovanni Rotondo e Pompeia (Itália), o Santuário da Imaculada Conceição em Washington (EUA) e claro o Santuário de Fátima em Portugal.

O Terço foi rezado com a participação de pessoas atingidas pelo novo coronavírus: médicos, enfermeiros, doentes curados, famílias em luto, capelães, farmacêuticos, jornalistas e voluntários, e também uma família que teve há pouco tempo um filho. Um verdadeiro símbolo de esperança.

No Terço, rezado com grande intensidade, em transmissão direta para todo o mundo, recordamos o excerto final da oração do Papa:

“Ó Maria, Consoladora dos aflitos, abraçai todos os vossos filhos atribulados e alcançai-nos a graça que Deus intervenha com a sua mão omnipotente para nos libertar desta terrível epidemia, de modo que a vida possa retomar com serenidade o seu curso normal.

Confiamo-nos a Vós, que resplandeceis sobre o nosso caminho como sinal de salvação e de esperança, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria. Amen”

leia também