Dia da Memória: “nunca mais”, repete o Papa, nunca mais a tragédia do Holocausto

No Angelus deste domingo (26), o Papa convidou todos a rezar pelo Dia da Memória que ocorre hoje. Neste 27 de janeiro, o mundo recorda o aniversário de 75 anos da libertação dos sobreviventes em Auschwitz-Birkenau, na Polônia. “Uma imensa tragédia” que não dá espaço à “indiferença”, acrescentou o Pontífice.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

A Praça São Pedro estava cheia neste domingo (26), principalmente com milhares de crianças e jovens que participavam da Caravana da Paz, promovida pela Ação Católica da Itália. Há 41 anos a iniciativa procura enviar essa mensagem de paz ao mundo, que toma uma dimensão importante inclusive na véspera do Dia da Memória.

De fato, nesta segunda-feira, 27 de janeiro, principalmente a Europa se mobiliza em atividades e comemorações para se conservar a memória sobre a barbárie perpetrada pelos nazistas nos campos de concentração e extermínio que, há exatamente 75 anos, foi interrompida quando as tropas soviéticas libertaram os sobreviventes em Auschwitz-Birkenau. Era o ano de 1945 e a data foi instituída oficialmente pela ONU em 2005 em memória às vítimas do Holocausto e contra o racismo e outras formas de intolerância.

Dia da Memória e de oração

Ao final da Oração Mariana do Angelus, então, o Papa também  recordou o Dia da Memória e a celebração do aniversário de 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, símbolo da Shoah.

“Diante desta imensa tragédia, a essa atrocidade, não é admissível a indiferença e é legítima a memória. Amanhã estamos todos convidados a fazer um momento de oração e recolhimento, dizendo em nossos corações: nunca mais, nunca mais!”

leia também