Padroeiro

Imaculado Coração de Maria

A revelação da devoção reparadora ao Imaculado Coração de Maria começou na segunda aparição da Santíssima Virgem Maria, que se deu em 13 de junho de 1917, em Fátima, Portugal, aos pastorinhos: Lúcia, Francisco e Jacinta. Na aparição, a Virgem disse a pequena Lúcia, a mais velha dos três pastorinhos: “Ele (Jesus) quer estabelecer no mundo a devoção do meu Imaculado Coração”. Logo após ouvir estas palavras, os três viram Nossa Senhora com um coração na mão, cercado de espinhos. Eles compreenderam que aquele era o Coração Imaculado da Santíssima Virgem, ofendido pelos pecados da humanidade, que necessitavam de reparação.

Na terceira aparição, Nossa Senhora mostra aos pastorinhos o inferno e almas dos condenados, que gritavam e gemiam de dor e desespero. Depois de dar-lhes esta visão assustadora, disse-lhes: “Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração”. No entanto, a Virgem não revelou como deveria ser feita esta reparação, mas disse que voltaria para pedir essa devoção reparadora.

Sete anos depois, no dia 10 de dezembro de 1925, em Pontevedra, na Espanha, a santíssima Virgem revelou à postulante Lúcia, a devoção reparadora dos cinco primeiros sábados, com estas palavras: “Olha, minha filha, o Meu Coração cercado de espinhos, que os homens ingratos a todos os momentos Me cravam com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vês de Me consolar, e dizes que todos aqueles que, durante cinco meses, no primeiro sábado confessarem-se, recebendo a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço, e Me fizerem quinze minutos de companhia, meditando nos quinze mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar, Eu prometo assistir-lhes, na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas”.

A memória litúrgica do Imaculado Coração de Maria é comemorada no sábado seguinte à solenidade do Sagrado Coração de Jesus, que é celebrado na segunda sexta-feira, depois de Corpus Christi. No entanto, a devoção ao Imaculado Coração de Maria remonta aos inícios da Igreja, pois tem suas raízes mais profundas nas Sagradas Escrituras. Nelas encontramos referências ao Imaculado Coração de Maria, no Evangelho segundo São Lucas, o “pintor” da Santíssima Virgem: “Maria conservava todas palavras, meditando-as no seu coração” (Lc 2,19). “Em seguida, desceu com eles a Nazaré e lhes era submisso. Sua mãe guardava todas estas coisas no seu coração”. (Lc 2,51).

A semente do Evangelho, plantada pelos apóstolos e discípulos de Jesus Cristo, germinou na doutrina dos Santos Padres e desenvolveu-se com os teólogos e místicos da Idade Média. São João Eudes foi o maior apóstolo da devoção ao Imaculado Coração de Maria. Em 1948, Padre João Eudes obteve do Bispo de Autun, na França, a aprovação da celebração da festa.

A Santa Sé mostrou-se favorável ao culto ao Imaculado Coração, no início do século XIX. No ano de 1855, o Papa Pio IX aprovou a Missa e o Oficio próprios do Imaculado Coração de Maria. Durante a segunda guerra mundial, em 8 de dezembro de 1942, na Solenidade da Imaculada Conceição, o Papa Pio XII Consagrou a Igreja e todo o gênero humano ao Coração Imaculado de Maria e, três anos depois, estendeu a festa do Imaculado Coração de Maria para toda a Igreja Católica.

A partir das aparições de Nossa Senhora de Fátima, a devoção ao Imaculado Coração de Maria ganha ainda mais força, especialmente na devoção particular dos fiéis. “A missão especial de Fátima é a difusão no mundo do culto ao Imaculado Coração de Maria”.

O pedido dessa devoção por Nossa Senhora foi uma magnífica confirmação dos Céus de uma antiga piedade mariana. O sábado, como dia especialmente consagrado a Virgem Maria, é uma tradição que tem sua origem muito provavelmente nos primeiros séculos da Igreja. “A presença da Missa de Nossa Senhora nos Sábados, no missal romano de São Pio V, de 1570, mostra a antiguidade dessa prática, que consiste em honrar especialmente a Santa Mãe de Deus nesse dia da semana.

Em 1930, o Padre José Bernardo Gonçalves, então confessor da Irmã Lucia, intrigado com a devoção dos cinco primeiros sábados em reparação ao Imaculado Coração de Maria, perguntou a Irmã: “Por que hão de ser ‘cinco sábados’ e não nove, ou sete em honra as dores de Nossa Senhora? ”; Irmã Lúcia não soube responder. No dia 29 para 30 de maio de 1930, nosso Senhor Jesus Cristo revelou a ela a razão da devoção dos cinco primeiros sábados: “Minha filha, o motivo é simples: são cinco espécies de ofensas e blasfêmias contra o Imaculado Coração de Maria:

  • 1º – As blasfêmias contra a Imaculada Conceição;
  • 2º – Contra a Sua virgindade;
  • 3º – Contra a Maternidade Divina, recusando, ao mesmo tempo, recebê-la como Mãe dos homens;
  • 4º – Os que procuram publicamente infundir, nos corações das crianças, a indiferença, o desprezo e até o ódio para esta Imaculada Mãe;
  • 5º – Os que ultrajam diretamente nas suas sagradas imagens.

Eis, minha filha, o motivo pelo qual o Imaculado Coração de Maria Me levou a pedir essa pequena reparação; e, em atenção a ela, mover a minha misericórdia ao perdão para com essas almas que tiveram a desgraça de a ofender”.

A própria Virgem Maria nos ensinou a praticar a devoção reparadora das ofensas ao seu Imaculado Coração. Para praticar perfeitamente esta devoção, devemos: durante cinco primeiros sábados do mês, de cinco meses seguidos, na intenção geral de reparar nossos próprios pecados e os de toda humanidade contra o Coração Imaculado de Maria – realizar quatro atos de piedade:

  • 1º – A Confissão;
  • 2º – O terço;
  • 3º – Os 15 minutos de meditação dos mistérios do rosário;
  • 4º – Receber a comunhão.

Assim, a devoção ao Imaculado Coração de Maria, praticada nos primeiros sábados em reparação das ofensas cometidas contra a Virgem Maria, foi-nos revelada para salvação de muitas almas do inferno. Pois, cada vez mais, em nosso tempo, multiplicam-se os ataques contra a dignidade, os privilégios, as honras devidas a Nossa Senhora. Além disso, há uma diminuição considerável do culto mariano em quase toda a Igreja, em conseqüência principalmente dos erros espalhados pelo comunismo no mundo todo.

A Irmã Lúcia, em maio de 1943, nos ajuda a compreender o poder e a eficácia sobrenaturais da devoção ao Imaculado Coração de Maria: “Os Santíssimos Corações de Jesus e Maria amam e desejam este culto (para com o Coração de Maria), porque dele se servem para atrair todas as almas a eles, e isso é tudo o que desejam: salvar as almas, muitas almas, todas as almas. Nosso Senhor me dizia há alguns dias: ‘Desejo ardentemente a propagação do culto e a devoção ao Coração de Maria, porque este Coração é o ímã que atraí as almas para mim, a fornalha que irradia na terra raios de minha luz e de meu amor, fonte inesgotável de onde brota na terra água viva de minha misericórdia’”.

Na cidade de Nova Andradina-MS, a Festa da Padroeira do Imaculado Coração de Maria é celebrada no último dia do mês de maio (31). Considerando que a festa do Imaculado Coração é uma festa móvel, e vendo a necessidade da cidade ter uma data fixa para celebrar o dia de sua Padroeira, através da Lei nº 670 de 18 de outubro de 2007, que dispõe sobre a fixação de feriados e ponto facultativo no âmbito do município, em função de sua padroeira, foi aprovado o feriado municipal.

 

Powered by themekiller.com