Papa recebe membros da Sociedade de Direito das Igrejas Orientais

“O diálogo ecumênico também é um enriquecimento para o Direito Canônico”, destacou o Papa Francisco durante encontro no Vaticano

Da Redação, com Vatican News

Papa Francisco recebeu em audiência nesta quinta-feira, 19, na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 80 participantes do encontro promovido pela Sociedade de Direito das Igrejas Orientais.
A organização, que completa cinquenta anos de fundação, foi fundada por padreIvan Žužek, em Roma, em 1969, pouco depois do Concílio Vaticano II. O sacerdote deu grande contribuição para a elaboração do Código dos Cânones das Igrejas Orientais. A sociedade tem como membros professores e especialistas em Direito Canônico.

O Papa agradeceu a visita ao Vaticano, ressaltando que o jubileu da Sociedade ofereceu-lhe a alegria de rever o seu  querido irmão o patriarca Bartolomeu, primeiro vice-presidente da Sociedade de Direito das Igrejas Orientais.

Direito Canônico e diálogo ecumênico

Francisco destacou a importância da integração de especialistas de várias Igrejas, Orientais católicas, Ortodoxas e Ortodoxas orientais, que segundo ele, é fundamental ao diálogo ecumênico. “Quantas coisas aprendemos uns dos outros! Em todos os âmbitos da vida eclesial: na Teologia, na vida espiritual e litúrgica, na atividade pastoral e, obviamente, também no Direito Canônico”, lembrou.

O Pontífice ressaltou que muitos dos diálogos teológicos que Igreja Católica conduz, em particular com a Igreja Ortodoxa e as Igrejas Ortodoxas Orientais, são de natureza eclesiológica. Possuem também uma dimensão canônica, uma vez que a eclesiologia se expressa nas instituições e no direito das Igrejas. “Portanto, é claro que o Direito Canônico não é somente uma ajuda ao diálogo ecumênico, mas é uma dimensão essencial. O diálogo ecumênico também é um enriquecimento para o Direito Canônico”, enfatizou.

Sinodalidade, dimensão ecumênica do Direito Canônico

A seguir, o Papa citou como exemplo a sinodalidada traduzida em certas instituições e procedimentos da Igreja, o que mostra bem a dimensão ecumênica do Direito Canônico. Por um lado, a possibilidade de aprender da experiência sinodal de outras tradições, especialmente das Igrejas Orientais. Por outro, a maneira como a Igreja católica vive a sinodalidade é importante para as suas relações com os outros cristãos. “ De fato, o compromisso de edificar uma Igreja sinodal, missão à qual todos somos chamados, cada um na função que o Senhor lhe confiou, está repleto de implicações ecumênicas.”

Francisco concluiu o seu discurso, afirmando que “baseando-se no patrimônio canônico comum do primeiro milênio, o diálogo teológico atual entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa busca uma compreensão comum do primado e da sinodalidade, e de suas inter-relações, a serviço da unidade da Igreja”.

Fonte: CANÇÃO NOVA

leia também